SINS AND CAPITALS SINS AND CAPITALS 

PECADOS E CAPITAIS PECADOS E CAPITAIS 

SINS AND CAPITALS SINS AND CAPITALS 

PECADOS E CAPITAIS PECADOS E CAPITAIS 

 or a certain mist for empty spaces (                                ) ou uma certa névoa para espaços vazios (             ) or a certain mist for empty spaces (                                                                ) ou uma certa névoa para espaços vazios (    ) or a certain mist for empty spaces (                                                                               ) ou uma certa névoa para espaços vazios (                                                                                                    ) 

 or a certain mist for empty spaces (                                ) ou uma certa névoa para espaços vazios (             ) or a certain mist for empty spaces (                                                                ) ou uma certa névoa para espaços vazios (    ) or a certain mist for empty spaces (                                                                               ) ou uma certa névoa para espaços vazios (                                                                                                    ) 






PROLOGUE
absence of acting and drama
just the polis
the soil we inhabit

without gods and without sin
just the space that the mist hides





















































The sins and capitals, or a certain mist for empty spaces curatorial project, consists of five exhibitions in international spaces, the screening of two films and an editorial project. Based on the work of Caspar David Friedrich — Der Wanderer über dem Nebelmeer — we seek to enunciate multiple and imaginary approaches between the space we inhabit and the exhibition space. (                                                                                                                                                                                              ) O projecto curatorial pecados e capitais, ou uma certa névoa para espaços vazios, é constituído por cinco exposições em espaços internacionais, projecção de dois filmes e um projecto editorial. A partir da obra de Caspar David Friedrich — Der Wanderer über dem Nebelmeer — procuramos enunciar múltiplas e imaginárias aproximações entre o espaço que habitamos e o espaço expositivo. (                                                                                                                                                                                              ) Curatoship Curadoria — Eduarda Neves︎︎︎

SINS AND CAPITALS

or a certain mist for empty (                        ) spaces

SINS AND CAPITALS

or a certain mist for empty (                        ) spaces

Exhibitons:  (A) Artists/Artistas        Editorial Project:  (WE) Written Essays/Ensaios Críticos   +   (VE) Visual Essays/Ensaios Visuais      
Films screening + Talk:  (FS) Amarante Abramovici + Tânia Dinis    (TLK) Thiago Rocha Pitta       Site Specific (SS) 

  Hamburg (Frise︎︎︎)
  01.02.2024 — 12.02.2024

  Madrid (Salón︎︎︎)
  22.06.2024 — 22.07.2024

  01.11.2024 — 01.12.2024

  Marrakech (Le 18︎︎︎)
  08.11.2024 — 12.01.2025  

  Amsterdam (P/////AKT︎︎︎)
  01.12.2024 — 22.12.2024

  Porto (Dínamo Gallery︎︎︎)
    Films Screening/Projecção de Filmes Amarante Abramovici + Tânia Dinis
    Site Specific Carlos Mensil
    Talk Conversa — Thiago Rocha Pitta

  07.06.2024
The work and the space are one and the same thing () ( ) (  ) A obra e o espaço são uma e a mesma coisa (  ) ( ) ()

...the space is so false, suddenly it is so false to want to establish relationships in that space, to want to place a being in that space, a cell would be enough... 

...o espaço é tão falso, de repente é tão falso querer estabelecer relações nesse espaço,
querer colocar um ser nesse espaço, uma cela bastaria...
(Samuel Beckett)


(I)

The city is incoherent like the capital. Industrialization and smoke. 1952. The sinister London smog. Mist without mysticism. Inert space. The clean air Act. 1956. Green energy prepares the war games. The blue economy is designed as a theater of operations. Maneuver fields. Artificial islands are built for military use. The nationalist and messianic infernal cycle. 2023. Sins and Capitals. The Uninhabitable Earth or to believe that we are still capable. David Wallace-Wells wrote:

The solutions, when we dare to imagine them, are also global.


A cidade é incoerente como o capital. A industrialização e o fumo. 1952. A sinistra poluição de Londres. Névoa sem misticismo. O espaço inerte. A lei do ar limpo. 1956. A energia verde prepara os jogos de guerra. A economia azul é desenhada como um teatro de operações. Campos de manobras. Ilhas artificiais são construídas para uso militar. O ciclo infernal nacionalista e messiânico. 2023. Pecados e capitais. A Terra Inabitável ou acreditar que ainda somos capazes. Escreveu David Wallace-Wells:

As soluções, quando ousamos imaginá-las, são também globais.


(II)

Breathing physically doubles the sense. We are touched by the scented wind that transforms the crowd into a delirious rapture. There are populations that oppose mortification and present us with a certain discomfort. They enunciate another land and different words, they murmur that the Sun is a lyrical effect without capital. They also imagine walkers on a sea of mist. They believe they have already seen one of them in Hamburg and whisper that only the multiple makes it possible to approach infinity. They argue that there is no mist without the sun. The voice of Cornelius Castoriadis:

I speak of an imaginary institution of society because this creation is the work of the anonymous collective imaginary.


A respiração dobra fisicamente o sentido. Somos tocados pelo vento perfumado que transforma a multidão num arrebatamento delirante. Há populações que contrariam a mortificação e oferecem um certo incómodo. Enunciam outra terra e distintas palavras, murmuram que o Sol é um efeito lírico sem capital. Também imaginam caminhantes sobre um mar de névoa. Acreditam já ter visto um deles em Hamburgo e segredam que apenas o múltiplo torna possível a aproximação ao infinito. Argumentam que não existe névoa sem Sol. A voz de Cornelius Castoriadis:

Falo de instituição imaginária da sociedade porque esta criação é obra do imaginário colectivo anónimo.
(III)

Nomadism of work and capital — power, control and spectacular space — cyberspace. The ontology of data and the consolidation of Being. We travel faster. We have millions of daily electronic visits through which we adjust the world. We have lost Euclidean space, or, if you prefer, Cartesian space. Landmarks no longer relate to units of distance. These, in the way of Michel Serres, gave rise to neighborhood spaces:

new technologies do not reduce the distance, they transport the houses to a completely different space, a topological space.


Nomadismo da obra e do capital — poder, controlo e espaço espectacular — o ciberespaço. A ontologia dos dados e a consolidação do Ser. Viajamos mais rapidamente. Temos milhões de visitas electrónicas diárias através das quais ajustamos o mundo. Perdemos o espaço euclidiano, ou, se preferirmos, o espaço cartesiano. Os pontos de referência já não se relacionam com as unidades de distância. Estas, na forma de Michel Serres, deram lugar a espaços de vizinhança:

As novas tecnologias não reduzem a distância, transportam as casas para um espaço completamente diferente, um espaço topológico.
(IV)

The exhibition space. In the manner of Immanuel Kant — form, if we abstract from objects, is a pure intuition that goes by the name of space. The invisible made visible of Peter Brook — Empty Space and Sacred Space. Silence. Let us summon for the works and by analogy with Artaud, a space of cruelty that works like the plague, by intoxication. Form is matter and energy. The work is capital. The magical action that does not dispense with contingency. The transfiguration that fulfills the rigor of what was lived. Artaud, magnetic:

Evil that will finally be alleviated, in the supreme instant when everything that was form is about to return to chaos.


O espaço expositivo. À maneira de Immanuel Kant — a forma, se nos abstrairmos dos objectos, é uma intuição pura que tem o nome de espaço. O invisível tornado visível de Peter Brook — o espaço vazio e o espaço sagrado. O silêncio. Convoquemos para as obras e por analogia com Artaud, um espaço da crueldade que funciona como a peste, por intoxicação. A forma é matéria e energia. A obra é capital. A acção mágica que não prescinde da contingência. A transfiguração que cumpre o rigor do vivido. Artaud, magnético:

Mal que há-de ser finalmente minorado, no instante supremo em que tudo o que era forma estiver prestes a retornar ao caos.
(V)

Magnetic field intensity and line density. They never cross. The works are electrical charges and the trajectories that assume the respective speeds describe, within that field, various movements. The travestied space stimulates sinless shocks — lines, circuits and forces, structure, process, vibration and flow. Overcoming categories in favor of digressions. Art. The work that trans(forms) the space modifies itself. In celebration of Harald Szeemann:

The work and the space are one and the same thing.


Intensidade do campo magnético e densidade das linhas. Nunca se cruzam. As obras são cargas eléctricas e as trajectórias que assumem as respectivas velocidades descrevem, no interior desse campo, vários movimentos. O espaço travestido estimula choques sem pecado — linhas, circuitos e forças, estrutura, processo, vibração e fluxo. Ultrapassar as categorias a favor das digressões. A arte. A obra que trans(forma) o espaço modifica-se a si própria. Na celebração de Harald Szeemann:

A obra e o espaço são uma e a mesma coisa.



In exhibitions we have many things to do with space; freedom is space itself.
Nas exposições temos muitas coisas para fazer com o espaço; a liberdade é o próprio espaço.
(Harald Szeemann)


Amsterdam
P/////AKT 
Hamburg
FRISE 
Madrid
SALÓN
Marrakech
LE 18
Porto
DÍNAMO
Rabat
LE CUBE